A planta rasteira Dinheirinho

Ficha Técnica: Pilea microphylla

Texto e fotos da Eng.Agr.Miriam Stumpf.

pilea microphylla - dinheirinho, brilhantina

Dinheirinho ou Brilhantina

Nome Técnico:
Pilea microphylla (L.) Liebm.
Sin.: Parietaria microphylla L.

Nomes Populares :
Dinheirinho, brilhantina, planta-artilheira, entre outros.

Família :
 Angiospermae – Família Urticaceae.

Origem:
 Originária da América..

Descrição:
Planta herbácea perene muito ramificada de altura até 0,30 m, formando moitas arredondadas de forma irregular superior a 40 cm de diâmetro.

As folhas são a parte mais ornamental da planta, pequeninas, arredondadas e parecem suculentas, de cor verde-clara brilhante.

As flores são tão pequenas que passam desapercebidas, pois nascem na axila das folhas.
Esta planta tem flores femininas e masculinas, sendo que estas ao amadurecerem explodem literalmente, jogando para o ar uma nuvem de pólen para a fertilização das flores femininas, daí o nome singular de planta-artilheira, nome por que é conhecida na América do Norte.

Modo de Cultivo :
Esta planta tem caráter invasivo e costuma surgir em lugares inesperados, como no meio de matas e em vasos de orquídeas.

Aprecia substrato rico em matéria orgânica, solo solto e permeável.
Aprecia umidade e luminosidade, embora o sol direto na parte da tarde costuma inibir seu crescimento. Apresenta sua plenitude em locais à meia sombra, sem pisoteio, onde possa se desenvolver.

A preparação dos canteiros ou vasos deve conter composto orgânico ou húmus de minhoca sendo adicionado adubo animal de gado ou aves bem curtido.
Preparar o solo do canteiro numa profundidade de cerca de 15 cm e plantar as mudas com espaçamento de 20 cm.
Não esquecer de regar após o plantio, mantendo regularidade até notar seu desenvolvimento.

Para adubações de reposição, a cada 4 meses, diluir uma colher de sopa de adubo NPK formulação 10-10-10 em uma garrafa PET de 2 litros, sacudir bem e regar o substrato ao redor da planta, cerca de 1 copo de água (destes de plástico descartáveis, guarde sempre um para medida).
Um dia antes, regar com água pura, para que se crie um bulbo umido ao redor das raízes. Ao colocar o adubo dissolvido este irá espalhar-se na umidade, ficando mais acessível para a planta.

Para fazer a propagação de mudas, poderá retirar pequenas mudas nascidas entre as moitas, abrir a touceira e separar ou fazer estaquia de ramos, de preferência na primavera. As estacas poderão ser colocadas em bandejas coletivas ou sacos, com composto orgânico sem adubo animal, mantendo o substrato úmido até notar o desenvolvimento da muda, quando então poderá ir para o canteiro ou vaso.

Paisagismo:
É uma planta que usou-se muito no paisagismo de jardins antigos e que passou por longo tempo esquecida.
Trazida de novo à ativa, tem aparecido em jardins de grande porte, com muita sombra, sob árvores e parece ter voltado para ficar.

Sua cor verde-clara brilhante dá a nota vivaz a maciços verdes ou de folhas variegadas, equilibrando e unindo.

Seja em bordas de canteiros, extensões sob árvores ou mesmo em vasos, fica bonita de qualquer modo e não pode ser dispensada.

Veja tambÉm

  • Forrações
  • Canteiros de plantas rasteiras
  • A ajuga

Comentários